Subida ao Pico dos Açores desde a cota zero


Introdução
31 de Maio de 2015
​​​​
Foi no dia 14 de Maio de 2015 que uma equipa do GEM realizou a subida ao ponto mais alto de Portugal, partindo do nível do mar. Tratou-se de uma ascenção de 2351 metros ao Piquinho da Ilha do Pico nos Açores, a partir do Porto da Praínha de São Caetano, numa extensão de 34,8Km, ida e volta, em 14 horas.

A subida do Pico desde a cota zero não é novidade, no entanto não encontrámos registos de um percurso que permitisse fazer este desafio com regresso ao ponto de partida no mesmo dia.

O desafio estava lançado, e após alguma pesquisa foi possível encontrar uma maneira de desenharmos um caminho composto por trilhos e caminhos agrícolas, por meio de bois e vacas, evitando em parte o percurso por estrada, até à Casa da Montanha, a 1100 metros de altitude, onde começa o verdadeiro trilho de subida ao Pico.

O percurso encontra-se disponível no Wikiloc, em  http://pt.wikiloc.com/wikiloc/view.do?id=9798362 .


Percurso
​​
O percurso inicia-se no Porto da Praínha de São Caetano, seguindo o Trilho da Canada da Ribeira da Praínha, um dos três trilhos atualmente recuperados na freguesia de São Caetano. Após a localidade, seguimos pelo Trilho das Fontes, outro trilho antigo que outrora ligava a freguesia às pastagens dos "matos", um espaço onde existiam várias nascentes de água fresca e pura onde os pastores paravam para descansar e saciar a sede.

7:30 - Partida do Porto da Praínha de São Caetano

Parque de Merendas das Fontes
​​O Trilho das Fontes termina atualmente no Largo das Fontes, frente ao Parque de Merendas das Fontes.

O caminho segue em frente pela estrada agricola, que dá acesso à estrada alcatroada.

Um pouco antes do final deste caminho deparamo-nos com uma cerca improvisada de paus entrelaçados com arame farpado. No lado direito existe um trilho no mato que permite contornar este obstáculo.

No final do trilho existe também uma cerca, mas fácil de abrir.

Caminho barrado por uma cerca improvisada

Caminhando pelo nevoeiro, tentando não perder o caminho agrícola, e evitar as vacas

Próximo da Casa da Montanha
​​Após alguns quilómetros de caminhos rurais e estrada alcatroada sempre a subir, chegamos finalmente à Casa da Montanha, local obrigatório para quem pretende subir o Pico. Aqui aproveitamos para descansar um pouco, enquanto nos registamos e os guardas nos apresentam um pequeno vídeo sobre segurança e cuidados a ter na montanha.

11:20 - Chegada à Casa da Montanha

Depois de um marco, há sempre outro à nossa espera
​​A partir da Casa da Montanha, é só seguir o trilho bem sinalizado com 45 marcos numerados. Em cada marco deverá ser possível vermos o seguinte. O pico no entanto nunca se vê senão quando chegamos à caldeira. Aí encontramos o Piquinho, um cone lávico de 70 metros de altura que engana na sua dimensão por estar no centro de uma caldeira de 700 metros de perímetro. Só quando chegamos perto é que percebemos o seu verdadeiro tamanho.


15:00 - Chegada à caldeira do Pico

15:20 - No cimo do Piquinho, o ponto mais alto de Portugal

Caminho de regresso. Depois da Casa da Montanha, já só falta metade da descida

Percurso de descida por estradão
​​Na descida optou-se por validar o percurso por estrada, que embora sendo mais extenso, é sempre a descer e faz-se com bastante facilidade.

A chegada a São Caetano, a 1Km do final no Porto da Praínha,  faz-se já ao cair da noite com quase 14 horas passadas desde o início da subida.


Créditos

21:20 - Chegada a São Caetano

​Equipa: Ana Barros e Vitor Toucinho
Fotos: Vitor Toucinho
INDICE
INICIO​​​
TOP​O​​​​​​​​​